esenfrpt

Luis Buñuel: dois olhares

Uma contribuição hispano-alemã para um cinema antitético

Patricia Cavielles García e Gerhard Poppenberg, editores
Edition Tram. Verlag Walter Frey. Berlim 2011

O livro "Luis Buñuel: dois olhares" é o resultado da conferência intercultural "Luis Buñuel: um olhar hispano-alemão", realizada por historiadores e teóricos espanhóis, alemães e mexicanos da Universidade de Heidelberg, em homenagem aos famosos o cineasta aragonês Luis Buñuel no 25º aniversário de sua morte.
O texto consiste em um prólogo e uma introdução, ambos de Patricia Cavielles García, e dez artigos que correspondem aos resultados das pesquisas dos teóricos participantes dessas conferências. Na verdade, é uma compilação de textos cujo fio condutor é Buñuel e seu cinema. Em alguns casos, a abordagem é bastante historicista, outros desenvolveram uma análise de orientação mais teórica. Alguns optaram por traçar paralelos entre seus filmes, outros para investigar a relação que ele tinha com outros artistas ou sua influência em cineastas posteriores.
Entre as visões historicistas está a do escritor e pesquisador espanhol Román Gubern, que fornece dados biográficos carregados de anedotas e detalhes cheios de ironia e humor. Gubern também divide a obra de Buñuel em três etapas: o cinema poético, correspondendo à primeira etapa surrealista; realismo social, que começa com "Tierra sin pan" e "Los Olivos" e finalmente cinema popular "anti-artístico", ou seja, melodramas e comédias populares como as adaptações dos romances de Pérez Galdos, "Nazarín" e "Tristana" . Por fim, Gubern menciona a influência que a obra de Buñuel teve sobre outros cineastas europeus, especialmente sobre seu compatriota Carlos Saura. Esta relação muito próxima de professor-discípulo entre estes dois famosos aragoneses foi plenamente desenvolvida pelo professor de literatura espanhola Hanno Ehrlicher em seu artigo Do oculto ao manifesto: relações entre Buñuel e Saura em "A caça" (1965) e "Buñuel e a mesa do Rei Salomão" (2001). Com o ocultismo de "La Caza", Ehrlicher se refere aos efeitos da censura de Franco nas obras, escritas e filmadas, que retratavam as vítimas republicanas durante os anos da Guerra Civil. Segundo ele, Saura usava uma linguagem enigmática para se referir aos filmes de Buñuel, proibidos pelo regime de Franco por sua declarada ideologia comunista. Anos mais tarde e sem o peso da censura, esse vínculo estreito se manifesta em "Buñuel e a mesa do rei Salomão".
Da pesquisa de Alfonso Puyal publicada com o título "Buñuel e Lorca. Caminhos da poesia através do cinema", pode-se inferir que Buñuel e García Lorca mantinham um vínculo de amor e ódio, mas também de mútua admiração. É claro que se conheceram na Residência de Estudantes de Madrid e que continuaram a amizade até o lançamento do primeiro filme surrealista da história: "Un chien andalou". No entanto, deduzimos daí que haveria uma relação mais estreita do ponto de vista estilístico, encontrando na literatura de García Lorca certos traços surrealistas quando não cinematográficos (a produção de Lorca neste gênero foi reduzida à escrita de um roteiro nunca feito em celulóide) e Ver a poesia pura em movimento no cinema de Buñuel é no mínimo uma relação forçada. O link Dalí-Buñuel parece, no entanto, muito mais transparente. 
Voltando aos autores com uma abordagem historicista, em "A metamorfose da propaganda: Luis Buñuel e a Guerra Civil Espanhola", o crítico de cinema alemão Wolfgang Martin Hamdorf indagou sobre a suposta autoria de Buñuel dos curtas documentários Espagne 36 e Espagne 37, encomendados pela governo de Manuel Azaña Díaz para fins de propaganda pró-republicana. Com a censura que Francisco Franco introduziu na Espanha a partir de 1939, esses curtas, que por mais dificuldades não contêm títulos de crédito, além de quase desaparecerem materialmente, permaneceram anônimos (1). WM Hamdorf relata os detalhes dessa busca por dados, por cópias de filmes, por possíveis atribuições baseadas em comparações estilísticas, de forma clara, concisa e ágil para o leitor.
Num contexto histórico-biográfico, Amparo Martínez Herranz detalha o projeto Nazarín (1958), a adaptação do romance de Pérez Galdós, que Buñuel trouxe para a tela. A construção do roteiro e as mudanças subseqüentes, os detalhes da forma de trabalhar de Buñuel e seus colaboradores, a montagem e o sucesso do público e da crítica na hora de sua projeção, o historiador dá conta de tudo isso, em grande detalhe .do cinema espanhol, que até inseriu fragmentos do roteiro técnico em seu texto.
Entre os que optaram por uma abordagem mais analítica estão Javier Herrera, diretor da Cinemateca Espanhola, a socióloga cultural mexicana Julia Tuñón e Ralf Junkerjurgen, professor da Faculdade de Línguas Românicas da Universidade de Regensburg.
Javier Herrera em seu texto "A navalha barbera como pincel. Uma aproximação às raízes da poética da cegueira no prólogo-seqüência de Un chien andalou", analisa essa famosa primeira seqüência, acrescentando novas contribuições a leituras anteriores, como os Talens de Janaro em seu livro "O olho cruzado" (2). O autor vê na autorrepresentação de Buñuel observando o céu, uma alusão ao gesto do pintor em busca de inspiração nas Musas, antes de iniciar a execução de uma obra-prima, e no ato de separar a córnea do olho do modelo, uma forma de limpar a visão das "nuvens" que embaçam a visão, semelhante a uma operação de catarata. Assim, Buñuel, com a colaboração de Salvador Dalí, imaginou um prólogo surreal para Un chien andalou em que nos propõe, espectadores, abrir o olhar sobre nós mesmos, da forma mais pura possível, sem preconceitos, sem “nuvens que cegam”.
Uma abordagem mais psicanalítica é a apresentada por Julia Tuñón. Em sua contribuição "A cartola e a ausência do pai", analisa alguns planos de Los Olivos (Buñuel, 1950) onde certos elementos da encenação estariam associados à ausência de uma figura paterna. Algumas dessas tomadas, como a da cartola que a mãe de Pedro tira da cozinha ao preparar o almoço, teriam sido filmadas e depois suprimidas na edição final, o que, segundo a autora, reforçaria ainda mais o seu inconsciente senso. O vínculo que o autor estabelece entre Esquecidos e o gênero melodrama, tão caro ao gosto mexicano, é especialmente revelador.
Por sua vez, o professor Junkerjürgen toma como título um fragmento do diálogo de L'âge d'or (Buñuel, 1930) em que uma jovem, que encontra seu amante no jardim de uma mansão, exclama sua alegria por ter matado seus filhos: "Quelle joie d'avoir assassiné nos enfants". Segundo a teoria da autora, a pedofilia, o infanticídio e o abuso infantil e a puberdade são temas que permeiam toda a obra de Buñuel, como forma de denúncia do poder patriarcal absoluto. Assim, o título do filme L'age d'or (A Idade de Ouro) faz uma menção irônica à infância, segundo a representação burguesa de uma etapa da vida próxima ao conceito cristão de paraíso. Para Buñuel, por outro lado, a infância em uma sociedade burguesa não é uma época de ouro, mas a fase em que o ser humano recebe todo tipo de abusos por parte da autoridade paterna e materna e mesmo dos setores sociais mais poderosos, provocando-o na traumas que segundo as teorias freudianas originam a neurose do indivíduo na fase adulta. Para Junikerjürgen, a perspectiva freudiana de Buñuel, juntamente com sua ideologia marxista, tingem sua obra com uma ideologia que tende a lutar contra todas as formas de poder. 

Análise comparativa entre dois filmes

Burkhard Pohl em seu texto "Na estrada. Viagens cinematográficas na obra de Luis Buñuel", e Patricia Cavielles García em "A lógica da identidade. Uma comparação entre Un chien andalou e Mulholland Drive", propõem duas análises comparativas.
Burkhard Pohl concentra sua análise em dois filmes que podem ser considerados dentro do gênero do road movie: Subida al Cielo e A ilusão viaja de bonde. Segundo o autor, são duas formas de representar a sociedade mexicana e suas contradições em seu estágio de desenvolvimento industrial. No primeiro caso seria um retrato rural e no segundo caso, urbano. Ao finalizar, faz uma revisão detalhada da filmografia latino-americana relacionada ao gênero road movie, comparando-a com alguns filmes norte-americanos contraculturais que surgiram nas décadas de 50 e 60.
Muito mais heterogêneos no tempo e no espaço são os dois trabalhos que Patricia Cavielles García escolheu em sua análise comparativa. O autor constata que tanto Buñuel em Un chien andalou quanto David Lynch em Mulholland Drive recorrem à linguagem dos sonhos para construir suas narrativas. Por meio de um tempo não linear construído a partir de uma perspectiva subjetiva, por meio do uso de imagens simbólicas carregadas de significado, os dois diretores constroem uma história ilógica sem tempo e sem espaço.

"Luis Buñuel: dois olhares" é uma valiosa contribuição que aumenta o conhecimento do público sobre a vida e obra do primeiro cineasta surrealista da história. É o resultado de investigações sérias por historiadores e teóricos de diferentes perspectivas, mais diversas e múltiplas do que apenas duas visões. Adriana Schmorak Leijnse

(1) - Apenas são conhecidos os nomes de dois cinegrafistas soviéticos que filmaram parte do material.
(2) - Jenaro Talens. O olho riscado. Madrid, Presidente, 1986

Livros

Nesta seção de Livros você encontrará resenhas de livros sobre os melhores filmes de todos os tempos, bem como os cineastas mais famosos do mundo. '

Equipe Cinecritic.biz

Luis Buñuel: dois olhares Uma contribuição hispano-alemã para um cinema antitético