esenfrpt

Por Adriana Schmorak Leijnse  

The Sound of Metal é um drama americano de 2019 dirigido e co-escrito por Darius Marder e estrelado por Riz Ahmed (Ruben Stone), Olivia Cooke (Lou), Paul Raci (Joe), Lauren Ridloff (Diane), Mathieu Amalric (Richard Berger ) e Chealsea Lee (Jenn). Conta a história de um baterista de heavy metal que vai perdendo a audição progressivamente.
O filme estreou no Festival Internacional de Cinema de Toronto em 6 de setembro de 2019. Recebeu seis indicações ao Oscar 2021 e conseguiu duas: de melhor edição e melhor som.  

Sinopse:
Ruben Stone (Riz Ahmed) é baterista da dupla de heavy metal Blackgammon, junto com sua namorada e cantora Lou (Olivia Cooke). Eles moram em um trailer enquanto fazem shows nos Estados Unidos.
Rubén descobre que está perdendo a audição e consulta um médico para um diagnóstico. O médico descobre que Rubén só consegue distinguir entre 20 e 30 por cento das palavras que ouve e sua audição se deteriora rapidamente; Além disso, embora os implantes cocleares possam beneficiá-lo, seu alto custo não é coberto pelo seguro. O médico sugere que Rubén elimine toda a exposição a ruídos altos e depois faça mais testes, mas Rubén ignora. Além disso, o baterista é um viciado em drogas em recuperação. Lou fica sabendo da condição de Ruben e quer parar de agir para sua segurança, mas quer continuar. Lou encontra um abrigo rural para viciados surdos em recuperação que aceita Ruben, dirigido por um homem chamado Joe (Paul Raci), um alcoólatra em recuperação que perdeu a audição na Guerra do Vietnã.
Ruben começa a conhecer os outros membros do abrigo enquanto participa de reuniões e se acomoda em sua nova vida. Na aula, Diane começa a aprender a linguagem de sinais. Joe pede a Ruben que escreva sem parar, em um esforço para deixá-lo confortável com o silêncio, e confidencia que ele mesmo fará o mesmo simultaneamente. Ruben começa a se conectar com as crianças e o resto da comunidade. Ele dá às crianças e a Diane aulas básicas de bateria.
Até agora, a estadia de Rubén foi patrocinada por uma igreja. Joe oferece a ela uma maneira mais permanente de ficar, como funcionária da comunidade, e diz a ela para pensar a respeito. Mas ele não quer ficar, então ele consegue que sua amiga Jenn (Chelsea Lee) venda sua bateria e outros equipamentos musicais, então vende seu trailer e usa o dinheiro para uma cirurgia de implante coclear. Ruben pede que Joe lhe empreste dinheiro para comprar de volta sua caravana, enquanto ele espera que o implante seja ativado. Joe se recusa, comentando que Ruben parece e soa como um viciado. Com o coração partido, Joe pede a Ruben que deixe a comunidade, pois ela se baseia na crença de que a surdez não é uma deficiência, não é algo a ser reparado.
Os implantes permitem que Ruben ouça, mas o som deles é severamente distorcido e isso interrompe suas tentativas de recuperar seu antigo estilo de vida. Ruben voa para encontrar Lou na casa de seu pai rico, Richard (Mathieu Amalric), em Paris, e Ruben descobre que seus implantes não permitem que ele ouça música como antes. Na manhã seguinte, Ruben pega suas coisas e sai enquanto Lou ainda está dormindo. Irritado mais uma vez com a distorção, ele se senta em uma bancada e remove os processadores de seus implantes, sentindo-se confortável com o silêncio.  

O diretor e suas fontes:
O diretor Darius Marder cresceu em Conway, Massachusetts, com seus pais e quatro irmãos. Seus pais, Lauri e Efrem Marder, ambos artistas de Nova York, viviam de acordo com os ensinamentos do filósofo e místico russo George Gurdjieff. George Gurdjieff nasceu no final do século XIX na Armênia do então Império Russo, sua principal obra foi divulgar e transmitir os ensinamentos da quarta via no mundo ocidental. Uma personalidade misteriosa e carismática, com um sentido crítico apurado, e uma cultura altamente tradicional, captou a atenção de muitos, orientando-os para uma possível evolução espiritual e humanitária.
A família de Darius morava em Conway com cerca de 35 seguidores de Gurdjieff, o que Marder descreveu como uma "bela experiência". A doutrina da quarta via origina-se de várias tradições (budismo, sufismo, hinduísmo, cristianismo ortodoxo oriental), teosofia e maçonaria russa do século XIX. Sua filosofia garante que existem três caminhos: o caminho do faquir, o do monge e o do iogue. Além desses três caminhos, há um quarto ou quarto caminho, uma doutrina metafísica, cosmológica e filosófica, idealisticamente orientada.
A quarta forma se baseia na crença de que o ser humano necessita de um procedimento ou sistema para despertar (por meio do autoconhecimento, da atenção consciente ao meio ambiente e, sobretudo, da "lembrança de si mesmo"). Dentro desta doutrina três outros caminhos são reconhecidos, mas eles não são práticos no modo de vida atual. Como indicam hoje as escolas da quarta via, existe um tipo de via para cada tipo de pessoa e o significado é encontrar a parte esquecida de si mesma; Em suma, o despertar do sonho, da chamada consciência desperta em que se está imerso, que nada mais é do que uma outra forma de sono.
A quarta maneira requer que a pessoa trabalhe o intelecto, as emoções e o corpo físico. Além das doutrinas de Gurdjieff, Darius tirou proveito de outras fontes, por exemplo, do conhecimento de seu bisavô, que cresceu em uma comunidade judaica ortodoxa na Áustria e, acima de tudo, Darius era particularmente próximo de sua avó paterna, Dorothy Marder , que depois de tomar um antibiótico para uma crise de pancreatite, ela ficou profundamente surda. Sua surdez repentina teve um impacto significativo em Darius. De todas essas fontes, o diretor tirou ideias para seu filme.  

Análise do filme:
O som do metal se refere ao som da bateria no início do filme, enquanto no final se refere ao som metálico dos sinos de igreja, o último som que o baterista ouve antes de retirar os fones de ouvido. O título se refere a esses dois sons metálicos. O ruído das máquinas, do trem, da industrialização, o ruído da era moderna e contemporânea é caracterizado pelo som metálico. A sociedade de hoje está alienada.
Rubén e Lou foram rejeitados por suas famílias e por isso descarregam essa fúria e essa frustração na música, que nada mais é do que bater os tambores com fúria e gritar palavras contra o mundo no microfone. Essa música alternativa e a rejeição de suas famílias os mantêm unidos. Mas não amor, ou talvez sim? Mais tarde, veremos que Ruben quer continuar o relacionamento, mas Lou não está mais interessado.
O baterista fica surdo, perdendo 75% da audição. Rubén é recebido em um centro religioso que ensina linguagem de sinais para deficientes auditivos. É um centro que recebe ajuda da Igreja, e Joe, seu diretor, é um homem de fé cristã. Lá Rubén conseguiu um lugar de pertença. O que une essas pessoas não é o ódio e a frustração, mas o amor e a aceitação de Deus, apesar de seus arrependimentos. Eles aprendem a ver a vida não como um acúmulo de infortúnios, mas como a oportunidade de aprender a "ouvir" o silêncio. "Você já teve um minuto de paz dentro de si?" Joe pergunta a Rubén.
Mas Rubén não quer aceitar sua situação atual. Para recuperar essa capacidade auditiva, ele marca consulta com especialista para realizar cirurgia coclear, sabendo que ficará dependente, por toda a vida, de um aparelho auditivo de última geração, que conecta o ouvido diretamente às células centrais do o cérebro. É um dispositivo que induz o cérebro a acreditar que o ouvido funciona. O problema para Rubén era que aquele som lhe chegava na forma de um horrível estrondo metálico, como o da bateria que outrora tocava. De repente, todos começaram a ouvir sons agitados e mecânicos.
Um pouco como o Silêncio de Deus de Bergman, onde Deus não se comunica por meio de igrejas e párocos, mas diretamente com cada um de nós, por meio dos elementos da natureza, por meio do amor. Embora a resposta às nossas orações e orações não seja ouvida em palavras, sua presença é sentida. Em "The Communicants" ou "Winter Light" (Ingmar Bergman, 1962), e nas palavras de Raquel Wasserman em seu livro Bergman Filmology, um pároco luterano passa por uma crise de fé e descarrega sobre seus acólitos seu próprio opressor e obsessivo dúvidas sobre se Deus realmente existe ou se é uma invenção dos homens para dar sentido às suas vidas. “O sacerdote não acredita em sua missão de fé evangélica. Ele questiona porque é dedicado a um Deus silencioso e, portanto, desconhecido ... ”.
Mas o padre Tomás encontra a resposta: no final “proclama: _porque tudo é Deus ... a luz do sol, os pássaros, as flores! Em toda a natureza, em todo lugar está Deus! ”. Para o filósofo judeu-holandês Baruj Spinoza, admirado por Bergman, “os atributos de Deus são infinitos, pois o próprio Deus é (...) a Natureza em todas as suas manifestações, são manifestações da existência de Deus. Ao nos abrirmos com amor a tudo e a todos, estamos amando a Deus. ”(1)
Apesar de seus avanços óbvios, o baterista não consegue se resignar ao seu destino. Ele não acredita em Deus ou no destino, ele não acredita mais em seus semelhantes. Ele só quer recuperar sua vida passada, com um forte apego às pessoas conhecidas e às coisas materiais, é por isso que Joe lhe diz: "para nós a surdez não é um problema que temos que resolver" e "você se comporta como um viciado". Vendo que o baterista não conseguia apreciar o amor e dedicação recebidos no campus, nem abrir mão de sua vida passada, o expulsa e o proíbe de voltar (quase parece uma cena do Antigo Testamento, retirada do Gênesis, quando Deus expulsa Adão e Eva do paraíso).
O baterista não entendeu o significado profundo e misterioso de sua surdez. Então ele decide acreditar na ciência, no positivismo de um mundo lógico, mas sem misticismo ele opera e a única coisa que consegue ouvir com o resultado da cirurgia são sons metálicos. Como se não bastasse, ele perde a namorada (seu amor ao longo da vida) e não pode mais voltar ao centro de deficientes auditivos, onde lhe ensinaram a língua de sinais (além de educação, amizade, senso de comunidade).
E é assim que todos vivemos, diz o realizador através do som e da imagem. Vivemos em um mundo lógico, regido pela ciência, mas na realidade somos surdos aos sons da natureza e ao silêncio de um deus panteísta, que nos fala através do silêncio.
É aí que entra o quarto caminho de Gurdjief, um caminho que o indivíduo deve buscar por si mesmo e que é apenas para ele. Não existe uma doutrina sobre o que é certo ou não fazer, sentir ou pensar na vida, mas esse é um caminho árduo, difícil, mas único para cada indivíduo. Joe encontrou seu caminho fundando um centro para deficientes auditivos, ajudando outras pessoas com base na fé cristã. Lou encontrou seu caminho reconciliando-se com seu pai e mudando radicalmente sua música (o dueto que canta com seu pai não tem nada a ver com os gritos desesperados de suas apresentações nos Estados Unidos). Rubén se despojou de todos os seus bens para pagar sua cirurgia, perdeu seu lugar na comunidade de deficientes auditivos e perdeu sua namorada.
Mesmo a cirurgia que ele esperava não funcionou. Finalmente ele se senta no banco de uma praça, fica alguns minutos com os olhos fixos em uma igreja, cujos sinos emitem um som metálico insuportável para ele, ele tira o aparelho auditivo e finalmente chega o tão esperado silêncio. Olhe para o sol poente, o sol parece se comunicar com ele de uma forma que não ouvimos nem entendemos. O sol poente, um dos deuses da antiguidade, principalmente na religião dos antigos egípcios, deu lugar à noite escura e fria, que é a morte do dia.
Na árdua jornada de Rubén, a igreja não lhe dá a resposta de que precisa; num banco da praça, olhando para o sol poente, em total silêncio, ele encontra o lugar onde pode sentir por um momento a paz interior. A estrela solar desperta nele uma ligação interna, uma voz ressoa sem a necessidade de “ouvir” no seu sentido funcional e físico. A imagem é cortada antes que o sol cruze a linha do horizonte. O fim está aberto.
Talvez seja porque, como disse Espinosa, Deus está em tudo, na Natureza, e não em uma igreja construída pelos homens. Como as palavras de Spinoza, retomadas por Bergman, ressoam naquele olhar do baterista para o sol, fonte de luz e calor essenciais para a existência, seus ouvidos então imersos no mais absoluto silêncio. Ele finalmente consegue experimentar aquele minuto de paz de que Joe, o diretor do campus, estava falando.
Vale destacar o trabalho magistral do diretor de som, já que em várias seções do filme ouvimos os sons, ruídos e silêncios que só o protagonista ouve. Isso é chamado de "som interno", porque só é ouvido por ele dessa forma, mesmo quando a fonte é externa. Os sons diegéticos e extradiegéticos (aqueles que pertencem ou não à trama) são os mais comuns no cinema mais clássico. Mas o que prevalece neste filme são os sons internos e subjetivos (e silêncios). Isso é muito importante porque não importa de onde venha a fonte, o importante é que, assim como cada um segue seu próprio caminho para atingir seus objetivos, cada ouvido ouve um som ou ruído diferente, embora a princípio pareça o mesmo para todos. .  

Notas:
-1 Wasserman, Raquel. Filmologia de Bergman. Editorial Fraterna. Bs As, 1988, pp. 71-72  

BIBLIOGRAFIA:
Wasserman, Raquel. Filmologia de Bergman. Editorial Fraterna. Bs As, 1988
Darius Marder - Wikipedia https://en.wikipedia.org/wiki/Darius_Marder
George Gurdjieff- Wikipédia, a enciclopédia livre
Sound | Análise de filme (uji.es)
CINEMA E PSICOLOGIA: O SILÊNCIO (Tystnaden, Ingmar Bergman, 1963): O arquétipo do animus. Eros e Logos. (cineypsicologia. com)
A Audiovision (wordpress.com)

Cinecríticas do mês

Van Gogh. No portal da eternidade "Deus teria dito: Pare de ir a esses templos sombrios,...

Roma Roma é um filme de drama mexicano de 2018 dirigido, escrito, co-fotografado e...

Disfarçado na Klan São os anos 70 e Ron Stallworth (John David Washington) é o primeiro...

Garoto pirralho Irreverente, hooligan, engraçado, ácido... e, acima de tudo, muito crítico: isso em poucos...

Uma mulher fantástica Esta pergunta do cineasta chileno Sebastián Lelio tem extensa ...

Cine Club Aztlan Exibimos filmes emblemáticos, ou filmes que ...

Outra Rodada Outra Rodada (em dinamarquês, Druk) é um filme dramático dinamarquês de 2020, dirigido por ...

O Pai "O Pai", um filme britânico, adaptação da peça Le Père, dirigido ...

O terrorismo basco e suas consequências hoje A casa do meu pai O chamado terrorismo ...