esenfrpt

Inspiração:
O filme foi baseado em uma peça que Vinterberg escreveu enquanto trabalhava em Viena. A inspiração adicional veio da própria filha de Vinterberg, Ida, que contava histórias sobre a cultura de bebida dos jovens dinamarqueses. Ida havia pressionado Vinterberg originalmente para adaptar a peça ao filme, ela também seria a única que interpretaria a filha de Martin (Mads Mikkelsen). A história era originalmente "Uma celebração do álcool baseada na tese de que a história do mundo teria sido diferente com o álcool." No entanto, quatro dias após as filmagens, Ida morreu em um acidente de carro. Depois da tragédia, o roteiro foi retrabalhado para ficar mais vivo, afirmando que “Não deveria ser só beber. É sobre acordar para a vida ”, disse Vinterberg.  

Análise
Todo o filme se baseia em uma premissa falsa para chegar a uma determinada conclusão. O resultado da experiência foi que beber uma certa quantidade de álcool pode melhorar o desempenho e fazer a pessoa se sentir livre de suas inibições. Mas também pode ficar fora de controle. Como aconteceu com Tommy. De qualquer forma, é importante esclarecer que muitos espectadores podem ter interpretado o filme como um pedido de desculpas por alcoolismo.
A primeira sequência parece um documentário, segundo os princípios do Dogma 95, grupo do qual Vinterberg fazia parte ao lado de Lars von Trier e Søren Kragh-Jacobsen, entre outros. Uma corrida ao ar livre para jovens que competem com o objetivo de atingir a meta com o máximo de cerveja possível no corpo, sem urinar ou vomitar pelo caminho. Parece uma atividade alegre, rodeada de verde e pleno sol.
Esta primeira sequência, com a câmera na mão, é contrastada com a cena sóbria que se segue, com muito claro-escuro, ao jantar de aniversário da professora de música. 40 anos é a idade em que um homem olha para trás como se sua juventude tivesse sido apenas um sonho e se pergunta sobre o significado de sua vida. Um sonho de juventude que acaba. O centro da mesa está bem iluminado, onde o vinho e as taças estão localizados, é onde o foco foi colocado mais, com a parte de trás do restaurante sendo a área mais escura. Neste fundo surge uma enorme pintura de caça, que nos remete ao filme de Vinterberg, “The Hunt” (2012).
Os rostos dos quatro professores estão iluminados. Esses quatro são estágios na vida de um homem adulto. O solteiro, o casado com filhos pequenos, o casado à beira do divórcio e o divorciado que se afastou da mulher e dos filhos. Da mesma forma que o aluno Todd Anderson, interpretado por Ethan Hawke, em "The Society of Dead Poets" (Peter Weir, 1989) (1) cujo suicídio se originou diretamente da incapacidade de cumprir sua vocação de ator, o professor Druk's sua carreira de ginástica caiu para o alcoolismo e a depressão por não suportar o corte de sua família e de seu emprego.
Eles se perguntam qual é o legado que deixamos se no final seus alunos não se lembrarem deles. O esquecimento é uma forma de morte. O tempo passa e a juventude se torna degradação e morte. Qual é o objetivo, então, de nossos esforços?
O professor de história, Martin, ainda vestido com o traje funerário do colega, dança jazz totalmente desinibido e feliz com a notícia da volta de seu amor para casa, da qual estava se separando irremediavelmente. Sua felicidade parece completa, assim como a desinibição de seu ego, já que o professor de história queria ser bailarino muito antes de assumir a docência.
O fato de o diretor congelar a imagem de Martin no momento em que ele se joga na água, e seu traje de luto convenientemente cortado atrás das costas para se referir a um par de asas batendo ao vento, em total Liberdade é uma mensagem sobre a brevidade da vida e a necessidade de vivê-la plenamente, porque todos vamos morrer. É um "Carpe Diem" que também aparece em "A Sociedade dos Poetas Mortos", bem como as técnicas pouco ortodoxas do professor de história que lembram as do Professor John Keating (Robin Williams) naquele filme de Peter Weir de 1989.
Para esclarecer ainda mais a introdução e o epílogo de “Outra Rodada”, é importante falar sobre o que Nietzsche chamou de Apolíneo e Dionisíaco. José Rafael Hernández Arias comenta, na Introdução ao livro “O Nascimento da Tragédia” de Friedrich Nietzsche, o seguinte: “Assim, o mundo apolíneo-dionisíaco é descrito como o mundo artístico por excelência, nascido do“ sonho ”(mundo Apolíneo) e embriaguez (mundo dionisíaco), fundindo o aspecto poético da visão, a arte plástica e poética com o aspecto orgiástico que se materializa na música. ”(2)
O apolíneo e o dionisíaco não são opostos e, se fossem, funcionariam como opostos complementares. Aqui, novamente, surge o tema do sono e da embriaguez como formas de liberar o inconsciente de forma criativa, colocando a experiência humana a serviço das artes, especialmente da música e da dança.
A orgia e a embriaguez que vemos no filme "Druk" do começo ao fim, como uma proposta libertadora. O sonho apolíneo pode ser lido no texto de Kierkegaard e também no filme "A Sociedade dos Poetas Mortos", no qual, acredito, Vinterberg se inspirou.
Da mesma forma, Nietszche baseia-se na 'obra de arte total' de Wagner para apresentar a apoteose da arte e da cultura: uma obra que combina harmoniosamente música, literatura, dança e atuação.
“Precisamente a sua concepção da 'obra de arte total' (refere-se à concepção de Wagner) foi inspirada no que o mestre considerou a tradição mais venerável da história da cultura ocidental: a tragédia grega, que combinou a partir de uma canção, o texto , a dança e o gesto, formando um todo harmonioso. ”(3)
Essa apoteose final é encontrada na dança do jazz que o professor Martin exibe diante dos alunos que acabaram de se formar. Este último é claramente um estado dionisíaco, de êxtase e euforia, assim como a embriaguez. A apresentação coletiva dos jovens vestidos de branco, usando chapéus de marinheiro como guirlandas, exultando na entrada do próximo palco escolar, nos lembra um coro de tragédias gregas.
Na "Sociedade dos Poetas Mortos", Peter Weir exterioriza "a obra de arte total" por meio do teatro shakespeariano que, não por acaso, traz a palavra "sonho" no título. Porque "Sonho de uma noite de verão" também é útil no teatro grego, naquele par entre o apolíneo e o dionisíaco.
“Wagner assume esta conclusão e está convencido de que, na arte, e especialmente na música, o homem experimenta uma transformação radical da consciência pela qual ele pode parar o declínio da cultura e do espírito.” (4)
O diretor Vinterberg critica a sociedade dinamarquesa, herdeira dos rígidos princípios do luteranismo. Uma sociedade hiper-ordenada que não dá origem às expressões de criatividade do indivíduo, fora dos padrões normalizados. Martin consegue escapar desses padrões e não apenas graças aos seus estudos de história, mas em particular à manifestação de suas paixões pela dança. Martin experimenta assim "uma transformação radical de consciência" que o salva de entrar em um triste declínio, como aconteceu com o falecido Tomy, o professor de educação física. Em uma seção do diálogo entre Peter, o professor de psicologia, e um aluno que não passou no último exame, o seguinte é expresso:  

Sebastian: A concepção de ansiedade era? Bem, o conceito de ansiedade de Kierkegaard ilustra como um ser humano lida com a noção de fracasso.
Peter: E o mais importante?
Sebastian: Por ter falhado, você deve se aceitar como falível para amar os outros e a vida.
Peter: Sebastian, você pode nos dar um exemplo? Sebastian: Sim, eu mesmo falhei
(Diálogo entre Peter e seu aluno Sebastian em "Druk")

 Søren Aabye Kierkegaard nasceu em Copenhagen em 5 de maio de 1813 e morreu em 11 de novembro de 1855. Ele foi um filósofo e teólogo dinamarquês, considerado o pai do existencialismo.
A sua filosofia centra-se na condição da existência humana, no indivíduo e na subjetividade, na liberdade e na responsabilidade, no desespero e na angústia, temas que abordariam Martin Heidegger, Jean-Paul Sartre e outros filósofos do século XX.
Muito de seu trabalho lida com questões religiosas: a natureza da fé cristã, a instituição da Igreja, a ética cristã, as emoções e os sentimentos que os indivíduos experimentam quando confrontados com as escolhas que a vida apresenta.
Kierkegaard fez várias observações perspicazes sobre a natureza da geração de sua época e sua atitude desapaixonada em relação à vida. Ele escreveu que "a geração atual é essencialmente racional, desprovida de paixões ... A tendência hoje é na direção da equação matemática" (5). Kierkegaard atacou a conformidade e a assimilação cultural de indivíduos em um público indiferenciado, a massa. No filme "Outra Rodada", a crítica principal é dirigida à rígida educação ministrada nas escolas, em que os alunos não são estimulados a serem criativos, a pensarem por si próprios e a se interessarem de múltiplas formas pelos temas abordados. Eles são educados para serem lógicos e racionais e para fazer parte da multidão, não para serem indivíduos com sentimentos, desejos e paixões. Eles não são ensinados a duvidar.
Como parte de sua análise do público, Kierkegaard apontou para o declínio da igreja cristã, especialmente a Igreja do Povo Dinamarquês. Ele criticou as tentativas de alcançar Deus por meio do raciocínio objetivo. Pelo contrário, ele acreditava que a dúvida é um elemento essencial da fé.
Em "The Mortal Illness" (1849), Kierkegaard propõe a auto-análise como meio de compreender o problema do "desespero", que segundo ele não vem da depressão, mas da alienação de si mesmo.
O eu que falhou em seu objetivo tornou-se intolerável; a pessoa gostaria de se tornar um eu diferente e, em tal momento, está presa em um eu fracassado. Essa negação de si mesmo é dolorosa, pois o desespero é avassalador quando um homem se evita: quando ele não é ele mesmo.
Kierkegaard acreditava que o desespero do indivíduo desaparece quando ele para de negar quem ele realmente é e tenta descobrir e aceitar sua verdadeira natureza.
“Cada vez mais o homem é convidado a escapar de si mesmo e a mergulhar na massa, a viver segundo a generalidade, o pensamento de Kierkegaard é para nós uma voz que clama por um retorno a uma existência mais autêntica, onde o homem seja capaz de se confrontar em uma forma madura e consciente. ”(6)  

Notas
-1 Todd Anderson (Ethan Hawke) suicida-se por não poder seguir sua vocação de ator. Ele interpretou Puck na escola e Puck é um personagem como o Cupido em "Sonho de uma noite de verão", de Shakespeare. Puck faz com que todos sonhem com o verão, o amor temporário e sazonal. Esse sonho de verão é também um sonho de juventude, de amor, de paixão. É o mesmo sonho a que Kierkegaard se refere em sua citação.
-2 Nietzsche, Friedrich. O nascimento da tragédia. Ed Valdemar. Madrid, fevereiro de 2012, página 18
-3 Op.Cit. página 26
-4 Nietzsche, Friedrich. O nascimento da tragédia. Ed Valdemar. Madrid, fevereiro de 2012. Página 26
-5 Kierkegaard, Soren. Uma revisão literária. Penguin Classics, 2001. ISBN 0-14-044801-2
-6 Ferreira Santos, Pedro Carlos. A atualidade do conceito de angústia de Kierkegaard. Revista da Universidade do Vale do rio Verde. Três corações, vol.9, n2, p202-214. Ago / Dez. 2011
 

BIBLIOGRAFIA:
Nietzsche, Friedrich. O nascimento da tragédia. Ed Valdemar. Madrid, fevereiro de 2012
Kierkegaard, Søren. A Literary Review, Penguin Classics, Londres, 2001, ISBN 9780140448016
Druk - Wikipédia, a encyclopedia livre (wikipedia.org)
Ferreira Santos, Pedro Carlos. A atualidade do conceito de angústia segundo Kierkegaard. Revista da Universidade do Vale do rio Verde. Três corações, v.9, n2, p202-214. Ago / Dez 2011
Sören Kierkegaard - Wikipédia, a enciclopédia livre
Sociedade dos Poetas Mortos - Site da Wikipedia     
  

Cinecríticas do mês

Van Gogh. No portal da eternidade "Deus teria dito: Pare de ir a esses templos sombrios,...

Roma Roma é um filme de drama mexicano de 2018 dirigido, escrito, co-fotografado e...

Disfarçado na Klan São os anos 70 e Ron Stallworth (John David Washington) é o primeiro...

Garoto pirralho Irreverente, hooligan, engraçado, ácido... e, acima de tudo, muito crítico: isso em poucos...

Uma mulher fantástica Esta pergunta do cineasta chileno Sebastián Lelio tem extensa ...

Cine Club Aztlan Exibimos filmes emblemáticos, ou filmes que ...

Outra Rodada Outra Rodada (em dinamarquês, Druk) é um filme dramático dinamarquês de 2020, dirigido por ...

O Pai "O Pai", um filme britânico, adaptação da peça Le Père, dirigido ...

O terrorismo basco e suas consequências hoje A casa do meu pai O chamado terrorismo ...