esenfrpt

Por Adriana Schmorak Leijnse 

La Llorona é um filme guatemalteco de 2019 dirigido por Jayro Bustamante. Seu roteiro foi escrito por Bustamante e Lisandro Sánchez, que se inspiraram na lenda de La Llorona e na história da Guatemala, especificamente no genocídio perpetrado entre 1982 e 1983, contra a etnia Ixil, ramo do povo maia que vive em o norte da Guatemala. 
O filme estreou no dia 30 de agosto de 2019 no Festival de Cinema de Veneza, dentro do Giornate degli Autori ("dia do autor"), seção onde Bustamante recebeu o prêmio de melhor diretor. La Llorona foi eleita pela Guatemala como candidata ao Oscar na categoria de melhor filme internacional. Embora estivesse entre os quinze longas-metragens selecionados para a categoria, não fez parte dos cinco finalistas.
No entanto, foi indicado para outros prêmios, incluindo o de Melhor Filme Estrangeiro no Globo de Ouro e Melhor Filme Ibero-Americano no Goya Awards.
La Llorona faz parte de uma trilogia temática do diretor Jayro Bustamante, que gira em torno de atos de discriminação ocorridos na Guatemala, como homofobia, classismo e racismo. A chamada "trilogia do desprezo" ou "trilogia dos três insultos" também é composta pelos filmes Ixcanul (2015) e Tremors (2019).
O filme começa com o julgamento de um militar fictício, General Enrique Monteverde, acusado de crimes contra a humanidade devido a um genocídio pelo qual ele havia sido responsável décadas atrás em uma área rural da Guatemala. Embora ele seja inicialmente condenado, o procedimento é declarado nulo e a sentença é nula. De volta para casa com sua família: Carmen, sua esposa; Natália, sua filha e Sara, sua neta, e em meio aos protestos dos insatisfeitos com o desfecho do julgamento, o homem começa a ouvir o choro de uma mulher à noite e a vivenciar alguns acontecimentos sobrenaturais. Seu comportamento errático assusta os empregados domésticos, que decidem pedir demissão, levando à chegada de uma jovem misteriosa chamada Alma para trabalhar como empregada.

Contexto histórico:
O personagem do general Monteverde é tirado diretamente dos militares guatemaltecos e ex-presidente Efraín Ríos Montt, que foi levado a julgamento em maio de 2013 por crimes contra a humanidade cometidos durante seu governo entre 1982 e 1983. Não se tratava apenas de mortes, mas também tortura, estupro e exílio contra o grupo étnico Ixil.
Apesar da gravidade das acusações contra ele, algum tempo depois do julgamento, sua sentença foi anulada. Ríos Montt morreu em 2018, sem ter recebido nenhum castigo. Rigoberta Menchú, ativista indígena e ganhadora do Prêmio Nobel da Paz em 1992, participou do processo real como testemunha e na ficção como um dos figurantes que comparecem ao tribunal.
O genocídio ocorrido durante o governo Efraín Ríos Montt insere-se em um contexto mais amplo, o da guerra civil na Guatemala que durou 36 anos (1960 a 1996) entre o exército oficial e os guerrilheiros de esquerda.
Nessas mais de três décadas de conflito, houve 669 massacres, 200 mortos e 45 desaparecidos. Das vítimas, 98% eram descendentes de indígenas do povo maia, e o restante, estudantes universitários, ativistas socialistas e comunistas e camponeses de diferentes origens. Milhares de indígenas que viviam no norte da Guatemala foram forçados a cruzar a fronteira e se refugiar na região de Chiapas, no sul do México. 

Fontes mitológicas:
A lenda de La Llorona tem origem pré-hispânica, na forma de vários personagens com características semelhantes, presentes na cosmogonia e nas crenças ancestrais dos povos autóctones da América. Durante a era colonial, as generalidades da lenda tomaram forma e, ao longo do tempo, a lenda de La Llorona passou a fazer parte do imaginário coletivo da América Latina, transcendendo fronteiras e passando a fazer parte da identidade cultural, folclore e imaginário popular. . Hoje, a lenda continua a ser muito popular do México à Argentina e Chile, bem como nos estados do sul dos Estados Unidos com as maiores populações de língua espanhola, como Arizona, Texas e Novo México.
La Llorona é um espectro que, segundo a tradição oral, é o banshee de uma mulher que afogou seus filhos, e então, arrependida e amaldiçoada, os procura à noite em rios, vilas e cidades, assustando-os com seu choro avassalador para aqueles que a vêem ou ouvem à noite. Sua lenda possui uma grande diversidade de versões, com generalidades e particularidades próprias de cada região. Apesar disso, sua história mágica e sobrenatural é constante e reconhecível, com acréscimos, texturas e híbridos de fontes muito diferentes. De todas essas características, o que permanece em comum até hoje são suas roupas brancas, longos cabelos negros, o grito dilacerante de Ai, meus filhos! e sua relação com a água.
Um dos antecedentes pré-hispânicos mais conhecidos da lenda de La Llorona é aquele que a identifica com a deusa mexica Cihuacóatl (a deusa mãe e mulher cobra). Essa deusa tem atributos diferentes: deusa da terra (Coatlicue), da fertilidade e do parto (Quilaztli), mulher guerreira (Yaocíhuatl) e guardiã dos mortos (Teoyaominqui). Além disso, ela era a mãe de Huitzilopochtli, o maior dos deuses mexicas.
Cihuacóatl também era a patrona dos espíritos das mulheres que morreram no parto. Esses espíritos de mulheres mortas podiam ser ouvidos à noite, clamando em voz alta pela morte de seus filhos e pela perda de suas próprias vidas. Eles a chamavam de Chocacíhuatl - de Nahuatl choka, 'chorar', e cihuatl, 'mulher'. Se qualquer mortal acidentalmente se deparasse com esses espíritos femininos, era um arauto de infortúnio ou mesmo de morte para ele.
De acordo com a dupla concepção das divindades mesoamericanas, Cihuacóatl era a deusa da vida e da morte, capaz de criar e destruir seus filhos. Ela era uma mãe nutridora e destrutiva. Ela foi representada na forma de uma mulher vestida com um vestido branco esvoaçante, cabelos negros esvoaçantes, e se materializou flutuando nas águas do Lago Texcoco enquanto chorava e gritava, lamentando o infeliz destino de seus filhos.
Por sua vez, os povos indígenas da Colômbia e da Venezuela têm muitas versões de divindades femininas associadas à água e à natureza. Eles são divindades protetoras de florestas, animais e fontes de água. Muitas dessas deusas eram espíritos vingadores que agrediam e puniam homens luxuriosos e infiéis.
Na Costa Rica, La Llorona é uma linda indígena, filha de um rei Huetar, que se apaixonou por um conquistador espanhol, com quem estava sozinha no topo de uma cachoeira, engravida e dá à luz um filho. que é morto pelo pai da mulher, jogando-o do alto da cachoeira. Amaldiçoada pelo pai, ela perambula eternamente pelas margens dos rios em busca do filho perdido, perseguida por espíritos malignos e lamentando seu infortúnio.
A lenda do Llorona que conhecemos hoje toma forma durante a Colônia, pois aos antecedentes pré-hispânicos se acrescenta a contribuição espanhola para estabelecer o mito como tal, fazendo do Llorona um dos primeiros sinais de miscigenação.
No folclore da Espanha, ela é conhecida como a Dama de Branco. É o fantasma de uma mulher com aparência de neve que vagueia ao longo de cursos d'água, como rios, fontes ou poços, e pode ser perigosa ou benéfica para quem os encontra. Segundo a lenda, a senhora de branco era uma mulher que matou seus filhos por amor não correspondido.
Em outros continentes, fora da América e da Europa, existem mitos semelhantes. Na África, entre os povos iorubás do Daomé e do Togo, narra-se uma lenda que descreve o vento como uma mulher que viaja os rios lamentando com medo e procurando seus filhos assassinados. Estes foram afogados pelo oceano (que neste mito também é uma mulher) e seus restos mortais espalhados pelo mundo. Esta lenda, que guarda fortes semelhanças com a de La Llorona, foi introduzida nos Estados Unidos por escravos africanos trazidos por europeus para a América e é especialmente conhecida em estados do sul como a Louisiana.
O folclore chinês é rico em histórias e lendas de fantasmas, e uma dessas histórias conta a aparição de uma mulher vestida de branco chorando e lamentando pelos corredores da Cidade Proibida de Pequim.
No Japão, os fantasmas que voltam ao mundo para se vingar são chamados de onryo. Geralmente são mulheres vestidas com um quimono branco, com longos cabelos negros e pele clara. 

Antecedentes Literários: 
A tendência literária que provavelmente mais influenciou o filme de Jayro Bustamante é Magic Realism. Esse movimento surgiu entre as décadas de 1940 e 1960 como uma fusão entre o surrealismo europeu - cujos temas principais são: o sonho, o inconsciente, os instintos, o amor, a morte e a crueldade - e o pensamento mágico dos povos indígenas afro-americanos que vivem na América hispânica . Sua característica é uma forma irracional de perceber o mundo, pois nos mostra que o maravilhoso está presente no dia a dia.
Um dos mais ilustres precursores do Realismo Mágico foi o Prêmio Nobel de Literatura, do escritor guatemalteco Miguel Ángel Asturias. Entre suas obras mais conhecidas estão “Leyendas de Guatemala” (1930), uma coleção de nove contos que exploram mitos maias da época pré-colonial, bem como temas que remetem ao desenvolvimento de uma identidade nacional guatemalteca. Suas histórias são precursores importantes do realismo mágico.
"El Señor Presidente", romance que concluiu em 1933, mas permaneceu inédito até 1946, quando saiu no México como publicação privada. "El Señor Presidente" é uma denúncia contra o ditador guatemalteco Manuel Estrada Cabrera.
O romance foi escrito durante o exílio das Astúrias, em Paris. Nesse período, as Astúrias foram associadas a membros do movimento surrealista, bem como a outros futuros escritores latino-americanos, como o venezuelano Arturo Uslar Pietri ("Las Lanzas Coloradas", 1931) e o cubano Alejo Carpentier ("O reino de este mundo, 1949).
"El Señor Presidente" é um dos muitos romances que exploram a vida de um ditador latino-americano e, de fato, foi proclamado por alguns como o primeiro romance real a explorar o tema da ditadura. Muitos temas, como justiça e amor, são ridicularizados no romance, e escapar da tirania do ditador é aparentemente impossível. Cada personagem do romance é profundamente afetado pela ditadura e deve lutar para sobreviver em uma realidade aterrorizante.
"Men of Corn" (1949) é geralmente considerado a obra-prima das Astúrias, embora continue a ser um de seus romances menos compreendidos. O título "Homens de Milho" refere-se à crença indígena maia de que sua carne era feita de milho. O romance é escrito em seis partes, cada uma explorando o contraste entre os costumes tradicionais dos povos indígenas e uma sociedade em modernização. O livro explora o mundo mágico das comunidades indígenas, um assunto pelo qual o autor era apaixonado e conhecedor.
Escrito na forma de um mito, o romance é experimental, ambicioso e difícil de entender. Por exemplo, seu esquema de tempo é um tempo mítico em que milhares de anos podem ser comprimidos e vistos como um único momento; além disso, a linguagem do livro é estruturada de forma análoga às línguas indígenas. Devido à sua abordagem incomum, demorou algum tempo para que o romance fosse aceito pela crítica e pelo público.
Outros autores fundamentais do Realismo Mágico ou "o verdadeiro maravilhoso", como Alejo Carpentier o chamou, são: o colombiano Gabriel García Márquez - "Cem Anos de Solidão" (1967), o argentino Julio Cortázar - "Bestiário" (1951), "Final do Jogo" (1956), "As armas secretas" (1959) e o mexicano Juan Rulfo - "El llano en llamas" (1953) e "Pedro Páramo" (1955), entre muitos outros. 

Análise de filme 
Nas palavras da jornalista Naief Yehya, “o cinema de terror contemporâneo é o gênero que mais registra traumas históricos, sejam as guerras no Oriente Médio, o terrorismo, a tragédia da imigração, a destruição de ecossistemas ou o aquecimento global. Global”
É verdade, "La Llorona" pertence ao gênero terror, mas em seu sentido mais profundo, é cinema político. É cinema político porque olha o passado de frente e sem medo, porque dá às mulheres um lugar que a maioria das sociedades modernas não tem, porque fecha na ficção uma questão dolorosa que permanece sem solução na vida real. Por isso e por muito mais, é um filme que transcende qualquer classificação de gênero. A lenda e a história recente da Guatemala se cruzam até se confundirem, mas no final o mito vence a batalha. Os mortos pela ditadura guatemalteca do general Monteverde (Efraín Ríos Montt, na vida real) voltam do além para exigir justiça. No início, as imagens são totalmente realistas. Mas com o passar dos minutos da narração, o fantástico ganha um espaço maior, até que a multidão que grita às portas da casa de Monteverde deixa de ser composta por gente de carne e osso para se tornar fantasma desde lá.
Uma série de estranhos acontecimentos, envolvendo Enrique Monteverde, provocou terror nos criados da casa da família. Portanto, apresentam sua demissão irrevogável, deixando a família com Valeriana, a doméstica mais velha da casa. A partir daí, a história dá uma guinada definitiva. É o momento em que Carmen decide contratar uma nova empregada e Alma entra em cena.
A jovem doméstica recém-chegada que, segundo Natália, perambula pela casa à noite lembrando dos filhos mortos, é uma personagem que vive num espaço contíguo entre o plano real e metafísico, entre o despertar e o sonho, entre a dimensão do vivos e o mundo dos mortos. Só que no filme seus filhos são, metaforicamente falando, o povo guatemalteco de ascendência maia. A legião de espíritos que buscam a justiça representa aquele povo, o povo de outrora e do presente, clamando às portas do repressor.
O diretor escolheu uma versão do mito em que os filhos de La Llorona não foram assassinados por sua mãe, mas por uma ditadura em seu esforço para exterminar completamente uma etnia indígena. Aqui, então, o assassino é outro. Além disso, é claro que Enrique Monteverde é atraído por Alma. Enquanto ele caminha pela casa como um sonâmbulo, ele a segue escada acima até o porão. Ao ouvir as lamentações de Carmen sobre as infidelidades do marido, entendemos que muitas delas ocorreram com as mulheres indígenas, com todo o machismo, racismo e classe que isso implica.
O mito ocupa um espaço cada vez mais importante na história, como o elemento água que inunda e transborda a enorme casa incontrolável. A água constitui o elemento feminino e materno por excelência; a fonte de purificação. Chorar também é água e traz fertilidade à terra.
A fonte de água representa o nascimento, um rio poderoso é o fluxo incessante do tempo e da vida. Enquanto o mar largo representa a morte, o lugar por onde fluirão as águas dos rios. A água tem um valor mitológico muito importante entre os aborígenes americanos.
La Llorona aparece encarnada em Alma, uma alma errante chorando por seus filhos mortos. Ela pode até prender a respiração sob o elemento líquido como se fosse seu ambiente natural. Como se ela não fosse humana ou viesse do mundo dos vivos. O vestido branco de Alma e seus longos cabelos negros combinam perfeitamente com a forma como os povos nativos descreveram La Llorona.
No início do filme, os moradores da casa rezam orações cristãs, mas diante da situação extrema que vive a família, as mulheres da casa, sem distinção de idade, etnia ou condição social, se dão as mãos e praticam um ritual de invocação aos velhos espíritos que se soma aos cinco em uma espécie de transe.
Em seguida, uma sequência aterrorizante se desenrola em que Carmen é vista em um sonho correndo para o mítico Lago Atitlán e clama por seus filhos enquanto observa o exército guatemalteco afogando as crianças da etnia Ixil. Ela também está fugindo dos soldados para não ser indignada e morta. A história da conquista se repete indefinidamente. Do etnocídio da colônia ao genocídio nas mãos de uma ditadura militar em meados do século XNUMX, o martírio do povo maia parece não ter fim.
O espírito justo de La Llorona está corporificado, desta vez, em Carmen. Depois que ela faz justiça com as próprias mãos, as forças naturais se acalmam e tudo na casa volta ao normal. Nesse sentido, é importante destacar que a mulher ocupa um papel primordial no filme, e às vezes dá a impressão de que as três gerações de mulheres: Carmen, Natalia e Sara, além de Valeriana (provavelmente filha extraconjugal de Monteverde) e Alma, a mais jovem doméstica; eles constituem um e o mesmo, isto é, a feminilidade em seu sentido genérico.
A atmosfera onírica e ao mesmo tempo assustadora do filme faz muito sucesso. Mas não é um cinema de terror ao estilo de Hollywood. É Magic Realism traduzido em linguagem cinematográfica. Nos textos literários pertencentes a essa tendência literária latino-americana, os detalhes realistas se confundem com situações fantásticas e surreais, dualidade da qual os leitores têm consciência, mas os personagens não. A mesma coisa acontece no cinema. Os personagens vivenciam situações e ambientes surreais como se fizessem parte de seu cotidiano. Na verdade, eles não podem distinguir um personagem de carne e osso de um espectro, como Alma, ou um espaço real de um imaginário, como a sequência transe descrita acima.
As três gerações de mulheres e as duas empregadas domésticas de origem indígena acabam fazendo justiça e normalizando a situação. Para fazer isso, eles unem forças e fazem cada elemento da cena fazer sentido. O genocídio é finalmente condenado, ainda que em ficção, enquanto as forças da natureza se acalmam e a velha casa parece que estava em seus melhores tempos. 

BIBLIOGRAFIA: 
Yehya, Naief, La Llorona, de Jayro Bustamante. Crônicas da coluna da interzona. Literal Magazine. Site 
Tabuenca, Elia. Realismo mágico: autores e obras representativas. Um professor. Novembro de 2018. Site
La Llorona (filme de 2019) - Wikipedia, a enciclopédia livre Site
Llorona - Wikipedia, a enciclopédia livre Site
Efraín Ríos Montt - Wikipedia, a enciclopédia livre Site
Guerra civil da Guatemala - Wikipedia, a enciclopédia livre Site

Cinecríticas do mês

Van Gogh. No portal da eternidade "Deus teria dito: Pare de ir a esses templos sombrios,...

Roma Roma é um filme de drama mexicano de 2018 dirigido, escrito, co-fotografado e...

Disfarçado na Klan São os anos 70 e Ron Stallworth (John David Washington) é o primeiro...

Garoto pirralho Irreverente, hooligan, engraçado, ácido... e, acima de tudo, muito crítico: isso em poucos...

Uma mulher fantástica Esta pergunta do cineasta chileno Sebastián Lelio tem extensa ...

Cine Club Aztlan Exibimos filmes emblemáticos, ou filmes que ...

Outra Rodada Outra Rodada (em dinamarquês, Druk) é um filme dramático dinamarquês de 2020, dirigido por ...

O Pai "O Pai", um filme britânico, adaptação da peça Le Père, dirigido ...

O terrorismo basco e suas consequências hoje A casa do meu pai O chamado terrorismo ...