esenfrpt

Por Adriana Schmorak

Sinopse
Robert Bilott é advogado especializado na defesa das indústrias químicas. Questionado por um camponês vizinho de sua avó, ele descobre que o idílico campo de sua infância está envenenado por uma fábrica do poderoso grupo químico Du Pont, o primeiro empregador da região. Para descobrir a verdade sobre a poluição mortal dos resíduos tóxicos da fábrica, Bilott arrisca sua carreira, sua família e até sua própria vida.

Aanálise
É graças à matéria que o jornalista Nathaniel Rich publicou na revista New York Times em 6 de janeiro de 2016 que o diretor Todd Haynes teve a ideia de fazer este filme. O referido artigo denuncia a grave transgressão da DuPont aos atuais regulamentos de proteção ambiental, administrados pela Agência de Proteção Ambiental, órgão governamental criado em 1970. Três anos após a publicação do artigo de Rich, Robert Billot publicou seu livro “Exposição. Poisoned Water Corporate Greed e a batalha de vinte anos de um advogado contra a DuPont ”(Ed.Simon & Schuster, Nova York, 2019), cujas pesquisas também ajudaram Todd Haynes a fazer seu filme.
"Dark Waters" é o primeiro filme de denúncia feito por Todd Haynes. O cinema da denúncia é dedicado, antes de tudo, aos anônimos, à trajetória e aos perigos que esses indivíduos enfrentam quando lutam para divulgar a verdade. O personagem de Rob Bilott é a pessoa que encarna esse herói anônimo, advogado do gabinete Taft Stettinius & Hollister. Até então, esse gabinete era contratado pelas empresas petroquímicas para defendê-las. O engraçado é que Bilott começou a investigar e aos poucos descobriu que seu cliente DuPont estava mentindo sobre suas atividades e, literalmente, decidiu atravessar a rua em frente, com todos os riscos que isso implicava.

Rob Bilott é um personagem solitário no início da história e, como costuma acontecer com o gênero da denúncia, os acontecimentos que se desenrolam apenas reforçam esse isolamento. Mas não só Rob Bilott é deixado sozinho, mas também o principal afetado e denunciante, Wilbur Tennant. Suas terras são adjacentes ao aterro Dry Run, onde a fábrica Washinton Works, administrada pela DuPont, despejou seus resíduos tóxicos. Segundo artigo de Nathaniel Rich, a empresa acumulou 7100 toneladas de PFOA em Dry Run entre 1951 e 1990. A substância se infiltrou no solo, contaminando o solo e a água, elementos de vital importância tanto para a pecuária quanto para a saúde humana.
A equipe escolheu conjuntos naturais de Cincinnati, Ohio, para abrir o escritório de advocacia de Rob e atirou nos campos contaminados de Wilbur Tennant em Parkersburg, West Virginia. Ou seja, eles escolheram espaços muito próximos daqueles onde ocorreram os eventos. Mais precisamente, uma fazenda em Colerain Township, perto de Cincinnati, substituiu a de Tennant, enquanto a pequena cidade vizinha de Hamilton foi usada como a principal artéria de Parkersburg, com suas casas e igrejas. Por sua vez, uma propriedade do condado de Hamilton, arrumada para parecer que era no final dos anos 90, serviu como residência dos Bilott.
Essa especificidade geográfica e temporal foi reforçada pela linguagem visual: o cineasta Edward Lachman, a cenógrafa Hanna Beachler e o figurinista Christopher Paterson recorreram a uma abordagem quase documental para criar uma unidade entre os locais de filmagem, muito contrastantes, e assim sublinhar sua interdependência.
Hanna Beachler achou o escritório da Taft Stettinius & Hollister, localizado no coração do distrito comercial de Cincinnati, Ohio, particularmente charmoso. Vários espaços de gabinete foram usados ​​para os sets, como escritório de Tom Terp, sala de conferências, recepção, sala de descanso e corredores sinuosos.

Christopher Patterson observou que a roupa de trabalho de Wilbur Tennan contrasta notavelmente com os ternos de escritório do escritório de advocacia e com este espaço frio, escuro e organizado. Em vez disso, Parkersburg é um universo muito mais rico visualmente. As pessoas usam roupas xadrez, jeans, roupas casuais de trabalho. Assim, do ponto de vista do figurino, da fotografia e da encenação, esses dois universos se distinguem visualmente, embora se complementem.
Por ser filmado no inverno, o filme tem pouca luz natural. Parece muito escuro. Os elementos naturais - água, ar e terra - adquirem uma tonalidade acinzentada, marcada pela substância tóxica PFOA, com a qual a DuPont fabricou o revestimento de Teflon de utensílios de cozinha. Este elemento, embora invisível, permeia e contamina toda a paisagem, deixando-a incruenta. Por sua vez, os arranha-céus de Cincinnati aumentam o grande poder econômico das cidades norte-americanas.
O que Todd Haynes comenta em uma entrevista sobre desastres ecológicos causados ​​pelo homem e suas consequências em longo prazo é especialmente interessante. “Em Dark Waters, o que a princípio se apresenta como uma contaminação regional e nacional do ar e da água, se transforma em uma contaminação mundial do sistema sanguíneo, marcando assim nossa interdependência como habitantes do planeta, mas como vítimas dos sistemas capitalistas e ideológico. Mas nesta terrível catástrofe provocada pelo homem, estamos inelutavelmente unidos por um destino comum e é a nossa consciência do que aconteceu, que nos une, neste que é, ao mesmo tempo, uma luta sem fim pela justiça e para nossa própria sobrevivência. "
A busca de uma justiça que pune e repara crimes aberrantes, cometidos contra a natureza e a espécie humana, com base na obtenção de lucros a qualquer preço, é um dos pilares em que se sustenta a ação e, além disso, um presente ardente. As descobertas de Rob Billot assombram os métodos nazistas de experimentação em pessoas.
Nadan Feldman, estudante de doutorado da Universidade Hebraica de Jerusalém, descobriu durante suas investigações que o laboratório químico alemão IG Farben, fabricante do gás letal usado pelos nazistas para o genocídio de prisioneiros em sua maioria judeus, recebeu parte de sua experiência graças à tecnologia acordos de troca com o laboratório americano DuPont.
O laboratório químico sediado em Delaware usou seus próprios funcionários como cobaias para testar a toxicidade do material, mesmo sabendo de seu perigo, e eles continuaram a comercializá-lo por meio do revestimento de Teflon. Eles jogaram grandes quantidades de lixo em um terreno na Virgínia Ocidental, que compraram especialmente para esse fim.
O advogado Billot apresenta o caso na justiça civil e não na criminal, mas o que descobre é criminoso. Após 20 anos de pesquisas, ele conseguiu determinar, sem dúvida, que a substância PFOA causa deformidades em recém-nascidos e cânceres de todos os tipos em adultos.
O problema da poluição ambiental é crucial em nosso tempo. É fundamental encontrar uma forma de organizar uma economia mundial sustentável, que se consolide dentro do ciclo natural, tendo como base a reciclagem de materiais. Uma economia limpa que prioriza a saúde pública ao invés do lucro.
Tim Robbins - ator que interpreta o chefe de Rob, Tom Terp - diz em referência ao advogado, o herói do filme: "Sou um grande otimista porque acredito no poder de um único indivíduo", e acrescenta, "uma única pessoa é capaz de parar uma multidão. Uma única voz que expressa a razão pode abalar a opinião pública. "
Por sua vez, Anne Hathaway - uma atriz que interpreta Sarah Billot - acrescenta na mesma linha: “Um dos méritos do filme é mostrar que este ser extraordinário, mesmo em um universo corrupto, tem sido apoiado (por seu chefe) . Juntos, eles conseguiram erguer montanhas (...) Cabe a nós tomar as decisões. Devemos nos mobilizar pelo planeta, por nós e pelos outros. ”

Anexo 1: Quem é Todd Haynes, o diretor de “Dark Waters

Todd Haynes é um cineasta e roteirista americano freelance. Nascido em Los Angeles, ele se interessou por arte desde cedo. Após seus estudos em artes e semiótica na Brown University, ele se estabeleceu em Nova York onde fez o curta-metragem "Supertar: The Karen Carpenter Story" (1987) no qual usou bonecas Barbie para contar a vida e a morte da cantora Karen Carpenter .
Estreou no cinema com “Poison” em 1991. O longa ganhou o Grande Prêmio do Júri no Festival de Cinema de Sundance e deu origem ao que ficou conhecido como Novo Cinema Queer.
Seu filme “Velvet Goldmine”, uma ode à era do glam-rock do início dos anos 1970, foi apresentado na seleção oficial do Festival de Cannes de 1998, onde ganhou o Prêmio Especial do Júri.
Em 2015 filmou “Carol”, adaptação do romance homônimo de Patricia Highsmith. Retratado por Cate Blanchett e Rooney Mara, o filme ganhou vários prêmios, incluindo seis indicações para o Oscar, cinco para o Globo de Ouro e nove para o BAFTA. Além disso, foi eleito o melhor filme LGBT de todos os tempos pelo British Film Institute.
Haynes filmou em 2017 "The Museum of Wonders" ("Wonderstruck"), baseado em um livro de Brian Selznick, que lhe rendeu várias distinções e o Critics Association Award.

Anexo 2: Carta da Terra

A Carta da Terra é uma declaração internacional de princípios e propostas de caráter progressivo. Esta declaração afirma que a proteção ambiental, os direitos humanos, o desenvolvimento igualitário e a paz são interdependentes e indivisíveis.
Para o projeto “A Carta da Terra” foi formada em 1997 uma comissão composta por pessoas e organizações de diferentes culturas e setores que participaram de sua elaboração. Promovido nas Nações Unidas e suas organizações, foi traduzido para mais de 30 idiomas desde seu lançamento em 2000.
A declaração contém uma abordagem global dos desafios do planeta, bem como propostas de mudanças de objetivos comuns que podem ajudar a resolvê-los. No entanto, os Estados Unidos da América têm se oposto sistematicamente aos tratados internacionais sobre meio ambiente, por considerá-los contrários aos interesses de seu setor.
A versão final da Carta foi aprovada por uma comissão composta por 23 personalidades de vários continentes e presidida pelo ganhador do Prêmio Nobel da Paz, Mikhaïl Gorbachev, em reunião realizada na sede da Unesco em Paris em março de 2000. O lançamento A Carta oficial da Terra aconteceu no Palácio da Paz de Haia em 29 de junho de 2000, em cerimônia presidida pela Rainha Beatriz da Holanda.
Desde o seu início, e especialmente desde 2007, a Carta da Terra não parou de crescer em endosso formal e legitimidade. Mais de 5 mil organizações deram seu apoio explícito junto com uma infinidade de adesões pessoais diretas, configurando um apoio global de milhões de pessoas.
O texto é estruturado em torno de 4 princípios básicos ou angulares, apresentados em 16 princípios gerais, desenvolvidos e complementados por sua vez por 61 princípios detalhados ou de apoio. Todos eles são precedidos por um preâmbulo e terminam com um texto de conclusão.
Os 16 princípios gerais, divididos em 4 princípios básicos cada, são os seguintes:

  1. Respeitar e cuidar da vida: respeitar a Terra e a vida em toda a sua biodiversidade; cuidar da comunidade da vida com compreensão, compaixão e amor; construir sociedades democráticas que sejam justas, participativas, sustentáveis ​​e pacíficas; garantir que os frutos e a beleza da Terra sejam preservados para as gerações presentes e futuras;
  2. Integridade Ecológica: proteger e restaurar a integridade dos sistemas ecológicos da Terra, com atenção especial para a diversidade biológica e os processos naturais que sustentam a vida; evitar danos como o melhor método de proteção ambiental e, quando o conhecimento for limitado, proceder com cautela; adotar padrões de produção, consumo e reprodução que salvaguardem as capacidades regenerativas da terra, os direitos humanos e o bem-estar da comunidade; promover o estudo da sustentabilidade ecológica e promover o intercâmbio aberto e a ampla aplicação dos conhecimentos adquiridos;
  3. Justiça social e econômica: erradicar a pobreza como um imperativo ético, social e ambiental; assegurar que as atividades e instituições econômicas, em todos os níveis, promovam o desenvolvimento humano de maneira eqüitativa e sustentável; afirmar a igualdade e equidade de gênero como pré-requisitos para o desenvolvimento sustentável e garantir o acesso universal à educação, saúde e oportunidades econômicas; defender o direito de todos, sem discriminação, a um ambiente natural e social que apoie a dignidade humana, a saúde física e o bem-estar espiritual, com atenção especial aos direitos dos povos indígenas e minorias.
  4. Democracia, não violência e paz: fortalecer as instituições democráticas em todos os níveis e proporcionar transparência e responsabilidade na governança, inclusive participação na tomada de decisões e acesso à justiça; integrar na educação formal e na aprendizagem ao longo da vida as habilidades, conhecimentos e valores necessários para um modo de vida sustentável; trate todas as coisas vivas com respeito e consideração; promover uma cultura de tolerância social, não violência e paz.

A Carta termina com estas palavras: que o nosso seja um tempo a ser lembrado, para o despertar de uma nova reverência pela vida; para a firme resolução de alcançar a sustentabilidade; pela aceleração da luta pela justiça e pela paz; e para a alegre celebração da vida.

O ideal coletivo proposto pela Carta da Terra não é apenas o de um desenvolvimento sustentável voltado para o meio ambiente e seus fatores econômicos e sociais, mas o de um “estilo ou modo de vida” sustentável. Promove o cuidado de todas as formas de vida e a responsabilidade coletiva, em solidariedade, para com o destino comum da terra e da humanidade. Porque o desenvolvimento humano consiste principalmente em "ser mais, não ter mais".
O desenvolvimento sustentável permite que a Terra, ao mesmo tempo que preserva sua beleza, sua integridade e seus recursos abundantes, mas limitados, satisfaça incondicionalmente as necessidades atuais de toda a humanidade. Mas o faz de tal forma que a Terra pode se reproduzir, regenerar e continuar sua evolução, como tem feito há quatro bilhões e meio de anos, atendendo assim também às necessidades das gerações futuras.

Referências bibliográficas:
kit de imprensa "Dark Waters"
Ig Farben, em Wikipedia
A Carta da Terra
"A US Chemical Corporation DuPont ajudou a Alemanha nazista por causa da ideologia, afirma um pesquisador israelense." por Ofer Aderet em Haaretz, 2 de maio de 2019

Festivais

Comunicado de imprensa 'III Festival Online Mujeres de Cine' 25 de março a 3 de março...

Festival Paris Cinéma 2009 Entre 2 e 14 de julho, quinze teatros...

Festival de Cinema de Paris 2008 Entre 1 e 12 de julho, o 6º...