esenfrpt

Por Javier Mora

O glamour da indústria do entretenimento adulto é a principal razão pela qual muitos jovens, tanto homens quanto mulheres, buscam a fama nos holofotes. Saboreie o mel do estrelato na tela, mesmo que seja frugal, mesmo que seja em vão.
O diretor Bryce Wagoner reúne este documentário com entrevistas reais com estrelas do entretenimento adulto, em um contexto menos chique. Eles podem ser vistos sem maquiagem, em traje de passeio e expressando seus sentimentos, sem a máscara dos refletores. Andar em um parque, no conforto de uma sala, na porta da frente de sua casa; e ainda arranhar a superfície da psique do ator pornô. Não é uma máquina, não é uma peça de mobiliário, é um ser humano que esconde sentimentos e medos; que esconde sua realidade por trás de um sorriso de compromisso de uma entrevista gravada.
Poderíamos explicar que o documentário está dividido em várias seções; a história dos atores, a opinião de alguns pseudo-especialistas, a decadência do ator e o curso final que fizeram para continuar com suas vidas. A edição não é a mais adequada, pois carece de um verdadeiro fio condutor e, em algumas ocasiões, parecem apenas curtas-metragens unidos ao acaso. Trazer o glamour da carreira de uma pessoa para o início do filme nos dá o equívoco de que é um trabalho sério e que realmente vai mergulhar no assunto. Grande erro; o espectador é guiado por corredores tórridos de ultradireita e infundido com uma ideologia cristã radical que ofende o espectador.
Com um roteiro que visa apenas apontar uma espada flamejante contra quem usa seu corpo para ganhar dinheiro; levante o dedo acusador para apontar aqueles mercadores de carne; o filme cai no fanatismo religioso cristão do bem e do mal. Aqui podemos ver os diferentes aspectos da vida de algumas pessoas, principalmente atores e atrizes que parte de sua carreira foi desenvolvida na indústria adulta; e como, com o passar do tempo, souberam progredir ou foram simplesmente absorvidos pelo turbilhão do ouropel da fama. Mas também aqueles que usaram essa experiência a seu favor e têm uma vida plena com suas famílias e ainda mais, estão em paz consigo mesmos.
O filme em si, não permite o discurso crítico do próprio espectador e o lança em uma culpa brutal por quem já se atreveu a ver pornografia; as entrevistas são editadas de forma que apenas a parte que denigre mais a indústria e deixa os participantes em uma situação ruim seja usada. Ao longo do filme podemos ver curtas do trabalho dos participantes, bem como entrevistas com seus familiares; alguns dos quais apóiam totalmente o trabalho de seus pais, sem recriminar nada; E como em todas as profissões, podemos encontrar pontos positivos e negativos, sem a necessidade intrínseca de submeter uma indústria a um julgamento sumário. Infelizmente, podemos ver mais uma vez a forma de usar a sétima arte como forma de influenciar o espectador e isso é ainda pior do que a própria pornografia.
A edição é pobre, mesmo para um documentário; falta força e fica grudado na superfície e não acrescenta nada ao filme, parece uma obra de escola de arte. Não há trilha sonora e isso tira a força. Infelizmente, o trabalho de um diretor sério não é perceptível.
É hora de deixar o espectador pensar por si mesmo e não permitir que associações, religiosas ou privadas ou de qualquer espécie, usem a arte para penetrar no inconsciente da população e plantar dúvidas ou convencê-los do que consideram correto. O cinema é uma arte que pode dar-se ao luxo de dar uma visão do mundo, mas sem tentar manipular a população. Estamos caindo em um poço de ressentimentos e manifestos partidários de que tudo o que eles fazem é polarizar uma sociedade, já devastada pelos interesses privados de alguns. O filme é apenas um pobre documento para dar uma visão parcial de uma situação que se vê em qualquer setor, apenas como uma peça informativa para um setor da população ainda fechado por causa da religião.
Devemos parar de demonizar esta ou aquela indústria, simplesmente porque é contrária à nossa ideologia; nada é bom ou mau per se; aqueles que têm o uso final, são aqueles que aumentam ou corrompem qualquer item do mercado; Existem aqueles que usam a indústria adulta para recriar paixões baixas e fantasias reprimidas; outros o usam para aliviar os males psicológicos daqueles que não se sentem confortáveis ​​consigo mesmos; ou aqueles que por meio da terapia, ajudam um relacionamento de muitos anos, florescem como antes. Tudo é tão mau ou tão bom aos olhos de quem o vê; a subjugação estrita mostra apenas falta de julgamento e razão. Se essa tendência continuar, chegará o momento em que ver a “maja nua” de Goya e uma fotografia da Playboy deve ser considerada tão ofensiva ou tão bonita, pois, na verdade, a beleza de uma imagem está no critério de quem a admira.

Cinecríticas do mês

Van Gogh. No portal da eternidade "Deus teria dito: Pare de ir a esses templos sombrios,...

Roma Roma é um filme de drama mexicano de 2018 dirigido, escrito, co-fotografado e...

Disfarçado na Klan São os anos 70 e Ron Stallworth (John David Washington) é o primeiro...

Garoto pirralho Irreverente, hooligan, engraçado, ácido... e, acima de tudo, muito crítico: isso em poucos...

Uma mulher fantástica Esta pergunta do cineasta chileno Sebastián Lelio tem extensa ...

Cine Club Aztlan Exibimos filmes emblemáticos, ou filmes que ...

Outra Rodada Outra Rodada (em dinamarquês, Druk) é um filme dramático dinamarquês de 2020, dirigido por ...

O Pai "O Pai", um filme britânico, adaptação da peça Le Père, dirigido ...

O terrorismo basco e suas consequências hoje A casa do meu pai O chamado terrorismo ...