esenfrpt

Mal imaginava André Breton a importância que seu movimento alcançaria em todas as artes quando escreveu seu Manifesto do Surrealismo em 1924 e chamou os artistas para uma revolução pessoal e social. Também lhe seria difícil supor as mudanças políticas que viriam no velho continente nas décadas seguintes: Depois do horror da Segunda Guerra Mundial, os países da Europa de Leste fizeram a sua revolução e alinharam-se com a tese do comunismo. A Europa Central tornou-se uma fronteira entre os dois sistemas. Uma fronteira que pertencia quase exclusivamente ao lado comunista, com indústrias nacionalizadas, sistemas de censura ao ferro e economias controladas por democracias populares, mas em que até então existiam ligações e intercâmbios culturais com a Europa Ocidental. Estados em que o movimento bretão penetrou nos círculos artísticos do entreguerras e em que a nova realidade imporia as teses do realismo socialista como as únicas válidas para a criação artística e especialmente no cinema, que Lenin já havia definido como as mais importantes de todas. as artes. Tudo isso criaria um terreno fértil único para que nos 45 anos decorridos entre a queda da Cortina de Ferro nesta fronteira e o seu afastamento, pudéssemos testemunhar a ascensão e queda de diretores que decidiram se afastar dos princípios que nos foram impostos da censura e pegar o surrealismo como base para subverter e criar filmes comprometidos, complexos e cheios de magia. Filmes que, pela censura de seus países, pela censura econômica e ideológica imposta do outro lado da cortina pelo capital, e pelas dificuldades de interpretação de suas propostas, muitas vezes foram relegados às historiografias oficiais da sétima arte. . Neste volume tentamos remediar esse esquecimento e recuperar um cinema quase desconhecido, cheio de imaginação, que nos conta uma parte fascinante da história política da Europa. Porque este não é apenas um livro de cinema, como nenhuma história de cinema é. Luis E. Froiz Casal (Santiago de Compostela, 1985). Licenciado em Comunicação Audiovisual e Doutor em Comunicação e Informação Contemporânea pela Universidade de Santiago de Compostela, a sua ligação com o audiovisual começou em 2004. Desde então tem publicado em revistas, sites e fanzines como Fotocine, aberto2000 maníacos, O pássaro zombeteiro o Massacre de Canibais, bem como no livro coletivo Ficção Espacial: Visões do Cósmicona ficção científica (2020). Entre 2017 e 2019, dirigiu a web cultural Legal Uma subcultura em galego. Também fez parte do júri dos festivais FKM (2019) ou GFFF (2020) e ministrou aulas de edição de vídeo na Escola Unitaria. No plano artístico, a realização de curtas-metragens como Um homem está deitado no chão (2011) Lemniscate (2015) ou Gólgota Compostela (2020), além do longa-metragem documental Escuros, Roncos e Compasados (2012). Depois de preparar um estudo sobre a nova vaga do cinema checoslovaco em 2012 para o seu Mestrado em Comunicação e Indústrias Criativas, a sua vocação de investigação e a sua paixão pelas culturas da Europa Central levaram-no a instalar-se em Praga entre 2015 e 2016 para absorver a realidade local. Disto, mesclado com seu interesse pessoal pelo surrealismo, surge o presente estudo.

Artigos de destaque

Entrevista com Vik InaudiDiretor da escola de cerâmica MUDLeblon, Rio de Janeiro,...

Chamaco: Intransigência e outras sexualidades na Cuba do novo milênio “Se você é diferente,...

Recomendações da NetflixJunho de 2022 Whisky: longa-metragem de ficção uruguaia, lançado em 2004....