esenfrpt

Entrevista com Flávia Junqueira

Por Adriana Schmorak Leijnse

Flávia Junqueira trabalha principalmente com fotografia. O universo visual da infância e a construção de um imaginário sobre essa primeira etapa da vida permeiam a obra da artista desde o início de sua produção.  
Aliás, na fotografia apresentada na ArtRio 2021, Ingenio de Piracicaba # 1, vemos no centro da cena um balão de ar quente que chama a atenção pelo espaço que ocupa e pela variedade de cores saturadas que exibe, muito utilizado em contos. , desenhos animados, filmes infantis e até brinquedos.  
Além disso, chama a atenção a ausência de figuras humanas e o fato de objetos infantis permanecerem no meio de um espaço declarado patrimônio nacional. Assim como em sua peça de 2019, Theatro João Caetano nº1, onde balões de várias cores flutuam no espaço interior do teatro mais antigo do Rio de Janeiro.  
Assim, a fotografia de Flavia Junqueira alude criticamente à nossa situação atual, uma época em que o prazer visual e a posse de objetos luxuosos, brilhantes e coloridos coexistem em um fundo em ruínas, solitário, desprovido de humanidade. Ao mesmo tempo, uma imagem virtual que chega até nós através de filmes e histórias infantis, carregada de cor e ingenuidade, face a uma realidade imperfeita e sem sentido.  
As obras de Junqueira fazem parte do acervo de importantes museus e centros de arte como MAM-SP, MIS-SP, MABFAAP, Museu de Itamaraty, Estação RedBull, Banco Mundial e Instituto Figueiredo Ferraz. Na ArtRio 2021, a artista foi representada pela Galeria Zipper de São Paulo.  
Aqui está nossa entrevista com o fotógrafo brasileiro.  

Como foi seu primeiro contato com a fotografia?  
Sou graduado pela FAAP (Fundação Armando Alvares Penteado). Me formei em Artes Plásticas e o primeiro contato foi na própria Faculdade. Claro, eu já me movia com a câmera fotográfica de uma forma muito comum, como qualquer criança, com aquelas máquinas analógicas, mas nada sem um sentido de apropriação, mesmo com um meio, como um suporte para o meu trabalho artístico.  
Então eu tive essa relação direta quando entrei para a Universidade, experimentei várias mídias e uma delas era a fotografia. Trabalhei com cenografia teatral durante a faculdade e usei muito a câmera para gravar cenários e pequenos modelos. Ele construiu pequenas situações, com miniaturas e objetos, e depois os fotografou.  
No final da Faculdade, em 2008, no meu TGI, que foi o meu trabalho de Graduação Interdisciplinar, apresentei uma série intitulada "Na Companhia dos Objetos" em que me aglomerava com todos os objetos da minha casa e fazia autorretratos .  
Então meu primeiro contato com a fotografia, aliás, foi por meio desses autorretratos.  

Por que você escolheu o universo infantil como tema principal de seu trabalho?
 
O tema do universo infantil não foi uma escolha, mas um processo. Desde criança consegui entender algo muito mágico e teatral na infância e sempre tive uma grande afinidade com esse período que está na memória dos adultos.  
Aos poucos, na adolescência, na minha juventude e mais madura, fui percebendo que esse universo infantil não havia me deixado em nenhum momento. Foi quando comecei a entender que esses elementos tinham um viés mais teatral, mais apaziguador, menos racional, menos vinculado à ideia de Progresso, ideia que foi muito levantada pela arquitetura moderna.  
Quando eu transformo os espaços por meio de apropriações de elementos lúdicos como esses globos, os carrosséis, as bolhas de sabão, estou querendo trazer um pouco da temporalidade da infância, que é um presente: não tem saudade do passado nem ansiedade do futuro, o tempo de agora, o tempo da criança.  
Também tenho afinidade com o que tem a ver com coleta e catalogação de objetos. Tirar a funcionalidade do objeto e trazê-la para o campo da coleção de algo que não tem um objetivo específico. A coleta de qualquer objeto envolve pessoas retirando o objeto de sua função original e começando a acumulá-lo.  
Num segundo momento, estou a lidar com arquitecturas patrimoniais feitas para durar e, ao mesmo tempo, coloco elementos que acabam muito rapidamente, para que aquele momento muito rápido de ser criança chegue ao adulto, ao espectador que é assistindo o trabalho. Para que ele também se torne criança.  
O universo infantil é um processo que não tem começo nem fim, mas acontece como um processo artístico, como uma intenção de compreensão do espectador e como uma proposição de um pensamento que vai contra o progresso, contra a ideia de racionalidade colocada. lá pela modernidade.  

Você considera que suas fotografias têm um significado aparente e um significado oculto?
 
Considero que as fotografias têm um significado aparente e um significado oculto. Como em muitas obras artísticas, principalmente na arte contemporânea. Acima de tudo, o meu trabalho que fala através da imagem e do visual de uma forma muito direta. As pessoas abordam o meu trabalho de uma forma muito direta quando recebem aquela explosão de cor, aquela explosão de energia dos elementos da infância, da teatralidade.  
Mas, no entanto, costumo brincar aí com a questão dos patrimônios históricos, a maioria deles abandonados em um país que não valoriza a cultura, um país que não mostra apreço pelo patrimônio. É uma forma de levar nossa história e mostrá-la às pessoas. Muita gente conhece teatros pelo mundo, mas não conhece um grande teatro brasileiro como, por exemplo, o teatro de Manaus, que tem uma força histórica muito grande e que marca um período muito importante no Brasil.
Meu trabalho tem muitas camadas, o que vai contra uma ideia de progresso, de racionalidade, de função. Essa ideia que o adulto tem que produzir, tem que fazer, trabalhar, e que só a criança pode sonhar, só a criança pode sentir o verdadeiro dom.  
Então, basicamente, as camadas estão muito além da questão da aparência que surge de uma imagem que tem uma relação de composição, de simetria, de beleza, de acúmulo de cores, o que agrada muito aos olhos.  
Mas quando se começa a perceber que esses espaços não têm gente, são vazios e são espaços patrimoniais, espaços que são sempre vistos como abandonados, toda a questão de aí criar uma relação de atrito com alguns ideais, e principalmente compreender os espaços e o olhar para eles. Tudo isso é muito importante para mim.  

Por que os espaços em suas fotos são caracterizados pela ausência de figuras humanas?
 
Neste momento é muito importante que a arquitetura e os objetos sejam os principais protagonistas. Como já disse muitas vezes, são espaços obsoletos, abandonados, espaços da nossa cultura, do nosso patrimônio que, infelizmente no Brasil, não recebem o valor que deveriam.  
A figura humana aparecia inicialmente no meu trabalho por cerca de três anos consecutivos, quando eu fazia autorretratos, e eles apareciam muito nas fotos da série "Em companhia de objetos" e na série "Festa em casa" .  
Também fiz um trabalho que era um autorretrato com meu pai e já tive alguns trabalhos em que o personagem ou estava escondido atrás dos balões ou era um autorretrato claramente dado, meu, do artista. Naquela época e nas séries principais que tenho feito hoje, sinto que era muito natural que a saída da personagem e a entrada de uma nova personagem que no momento é um grande protagonista que são aqueles elementos da infância: carrossel cavalos, balões, bolhas de sabão.  
Todos esses elementos tomam o lugar de uma figura que não é uma figura humana, mas uma grande figura que está aí para nos falar, para nos fazer pensar em como as pessoas lidam com aqueles objetos que na maioria das vezes têm uma duração muito longa. curto.  
A bolha de sabão é apenas um instante para acontecer e desaparecer. O balão dura pouco tempo, 8 horas e murcha. Para pensar um pouco na solidão, no deslocamento desses espaços, que são espaços feitos para durar.  
Tento criar uma teatralidade para eles através de um objeto que é o oposto dessas arquiteturas, não foi feito para durar, é um objeto que acaba, assim como acaba a festa, assim como acaba a vida de todos. Então, meu trabalho é uma reflexão sobre a finitude da figura humana e sobre a finitude das coisas, por meio desses elementos como cavalos de carrossel, balões e bolhas de sabão.
 
Existe algo em seu trabalho que se refere à nossa situação atual como sociedade?
 
No meu trabalho são muitas as referências actuais que fazem com que o espectador, num primeiro momento, se sinta atraído pelo visual, e num segundo momento pode também reflectir sobre aqueles espaços patrimoniais, sobre a nossa sociedade, sobre a nossa cultura, sobre o que foi. feito de nossas propriedades. Se o espectador já entrou naquele lugar e está tentado a ver isso, pode pensar o quanto de sua história está ali, na história de seu próprio país.  

Onde será sua próxima exposição?
 
A atual exposição na Zipper Galería está em alta. Chama-se "igrejas barrocas e cavalos de madeira" e traz um paralelo entre as formas visuais do barroco e uma relação com as formas e movimentos dos antigos parques de diversão.  
Aludindo a um texto de um teórico chamado Roger Bastide. Esse teórico me foi apresentado pelo curador Ícaro Ferraz Junior, que me acompanhou durante um ano em contatos e diálogos sobre o meu trabalho.  
Esta exposição fala sobre o momento em que concluí meu doutorado em Artes Plásticas na Unicamp. Esta exposição mostra sete trabalhos realizados em fotografia encenada, que é o género de fotografia que mais utilizo.  
Na próxima exposição, em fevereiro, vou fazer uma instalação, ainda não sei dizer exatamente onde será. Será uma instalação com globos de vidro, elemento que agora começo a investigar mais a fundo.  
Em breve participarei do programa Metrópolis da TV Cultura. No ano que vem o projeto é ir para o exterior. Alguns teatros europeus já me convidaram para fazer a catalogação europeia com balões. Acho que a questão da instalação ocupa cada vez mais espaço no meu trabalho, sai da fotografia. Há muitas coisas boas a fazer no próximo ano.  

Festivais

Na nossa secção de Festivais poderá encontrar uma síntese dos mais recentes festivais internacionais com os filmes apresentados em competição, os vencedores, os convidados especiais, as retrospectivas e as fotos.

Equipe Cinecritic.biz

Comunicado de imprensa 'III Festival Online Mujeres de Cine' 25 de março a 3 de março...

Festival Paris Cinéma 2009 Entre 2 e 14 de julho, quinze teatros...

Festival de Cinema de Paris 2008 Entre 1 e 12 de julho, o 6º...